quarta-feira, novembro 06, 2013

poemas, poemas, poemas

na carruagem dos dias

eu apoio qualquer protesto
seja ele pacífico
ou atlântico

circunavegação da ausência

ela me marcou
com um silêncio
nas retinas


circunavegação da ausência II

subitamente era uma palavra
que se enroscava em teu lábio

fragmento

eu acordei silêncio
olhos mudos
vicejava em mim
um ranço de brevidade

fragmento

não perco mais tempo com mesuras
do teu corpo de labirintos
só anseio travessuras


9 comentários:

Lídia Borges disse...


Maravilha!

O nosso protesto atlântico parece ser demasiado pacífico.


Um beijo

jorge pimenta disse...

breves vazios para plenitudes anunciadas - são assim os labirintos do corpo: gritos disfarçados de murmúrios.

abraço, assis!

Tania regina Contreiras disse...



Poemas, poemas, poemas de arrebatamentos, e a palavra enroscada nos lábios: que maravilha de imagem!!!

beijos, Poeta!!

Adri Aleixo disse...

São tão deliciosos e neles eu me perco. Ou será que me encontro?

Beijoooo

Joelma B. disse...

Rastros de lira... Quem segue se torna lugar...

Beijo!

José Carlos Sant Anna disse...

É navegar pelos canais seguindo os rastros dessas vibrações!
Abraços

Eleonora Marino Duarte disse...

uma costura de ternuras, Assis.
bonito, intenso, algumas linhas puras, poema(s) de entrelinhas e sensações.

gostei muito.

um beijo.

Cris de Souza disse...

Um mais mais saboroso que o outro...

Esse é meu mestre!

Beijo.

dade amorim disse...

Belezas e mais belezas!
É incrível a tua inspiração.

Beijo!