sábado, maio 04, 2013

Quase teu, quase prometeu


A tua ausência é esta ave
A bicar-me o fígado
Eu renasço em vazios

8 comentários:

Lídia Borges disse...


Quanta agilidade de pensamento!

Belo!

José Carlos Sant Anna disse...

É uma lâmina afiada a tua pena.
Abr.,

Isa Lisboa disse...

Quase consigo ver essa ausência...!

Gostei muito deste poema!

Abraço

Isa Lisboa
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Pense fora da caixa

Tania regina Contreiras disse...

Mitopoético e lindo!

Beijos,

Eleonora Marino Duarte disse...

irretocável, poeta.

um beijo,

eurico portugal disse...

ai, esta pura ânsia de partir... ficando.

abraço!

dade amorim disse...

Renascer em vazios é tão poético!

Beijo.

Cris de Souza disse...

Na mosca!