terça-feira, março 05, 2013

fragmento e nonada


por ofício me destino ao inútil
ao esquecimento na palavra
neste repetir-se em nadas

6 comentários:

Lídia Borges disse...


Não sei, não!...
"O poeta é um fingidor"


Beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

poesia que em tudos e nadas dança

bjs

José Carlos Sant Anna disse...

O que pode parecer repetição, é criação, meu caro.
Abração,

Eleonora Marino Duarte disse...

Não abandone nunca o seu motocontínuo que tanto nos dá em beleza...


Um beijo.

Cris de Souza disse...

Tudo haver ou a ver navios...

eurico portugal disse...

antes repetir-se em nadas do que ser tudo uma só vez. o que sobra para lá do instante?

abraço!