quinta-feira, março 07, 2013

fragmento para os que ardem


sou o meu próprio inferno
e a poesia não me salva

9 comentários:

Tania regina Contreiras disse...


Poeta ardente, sua não-salvação é salvação minha! :-)
beijos,

Cris de Souza disse...

Diabrura!

Beijo, mestre*

Lídia Borges disse...


A Poesia pode tardar, mas não falha!



Um beijo

José Carlos Sant Anna disse...

Não ouso desdizê-lo, mas também não acredito nisso.
Abr.,

dade amorim disse...

Salva a nós, tua poesia.

Beijo.

Ira Buscacio disse...

Adorei isso! mas como o poeta é um fingidor...

bj, bj

Ingrid disse...

sempre perfeito!
beijo e bom sábado..

eurico portugal disse...

eis o que respira pontuado a fogo.

Manuela disse...

Poesias que ardem, essas.
bonito demais.