segunda-feira, março 04, 2013

ária solene para resguardo dos ventos


(para Daniela Delias)

guarda-me um silêncio
para antes ou depois
um repouso de nenúfares
- passagens

pousa os olhos, vês:
há miragem na poeira
- emblemas
é tudo vidro e cerração

na cidade anunciada
corre o rio desavisado
a mulher espera flores
artifícios, brincos, amor

guarda-me uns versos
embebidos de lilases
saliva tão fina na retina
heliantos, brilhos fugazes

descansa os olhos, mãos
é tudo tão dentro, dentro
vertigem tão voraz
guarda esta sede tão líquida





9 comentários:

Tania regina Contreiras disse...


O poema, um encanto. A musa, uma poeta. A voz, uma música. A respiração, sinfonia de silêncios.

Parabéns ao poeta e à musa. Dani: felicidades sempre! :-)
Beijos,

Parole disse...

Encantador!

José Carlos Sant Anna disse...

Com que "facilidade" derramas tanto lirismo e, me parece, estou a ver a felicidade estampada no rosto dessa "Tágide" que o inspira. Ambos merecem os parabéns!
Abração,

Lídia Borges disse...


Obrigada pela partilha deste momento lindo.


Um beijo

Adri Aleixo disse...

Lindo!

Beijo na poetinha e no poeta mestre!

Aqui é noite lilás...

dade amorim disse...

Lindo e mais que merecido!
Que tudo de bom venha a você, Dani.

Beijo beijo.

LauraAlberto disse...

tu voas alto, sempre

beijinho

Daniela Delias disse...

E eu aqui só emoção...

Cheiro/Beijo,

Dani

eurico portugal disse...

guarda-me o silêncio... e a saudade. da dani.

um abraço em ti, um beijo na dani!