quarta-feira, fevereiro 13, 2013

quase sísifo, quase ardor


a solidão é fria na flor
como delicadeza na pedra
como sonho que não medra

8 comentários:

AC disse...

Sim às flores, sim aos sonhos, mas doses de solidão, bem equilibradas, são indispensáveis ao equilíbrio.

Abraço

teca disse...

Sonhos em pétalas e sedimentos...

Beijos.

Lídia Borges disse...


Um sonho que não medra, seca.

Fiquei aqui a ler, a reler...


Um beijo

Cris de Souza disse...

sonho que não medra
se mescla ao ardor
em pétalas

...

beijo em tom maior!

dade amorim disse...

Solidão, sempre fria
no entanto,
quase ardor

Bjbj

LauraAlberto disse...

todas as flores morrem sozinhas
o sonho às vezes nem chega a nascer

beijinho

Ira Buscacio disse...

o frio queima tanto
bj, poetaço

eurico portugal disse...

a solidão em viagem ciclópica que não termina jamais: eis a ciência selvagem do homem.

abraço!