segunda-feira, setembro 10, 2012

poema para descansar em teus líquidos


quando eu me julgava teu
tão fiel na imprecisa memória
da água que elevava o musgo

todo equilíbrio era um olhar
como uma seda para o lábio
e nós para acender a solidão

11 comentários:

Catia Bosso disse...

Solidão que se acende em si própria!!!

Que lindo por aqui! Eu ainda não conhecia este blog! Ja fiquei!

bjs meus

Catita

Lídia Borges disse...


As palavras entrelaçam-se em íntimos abraços...

Um beijo

Caroline Godtbil disse...

Vc contou a história do meu grande amor...
Beijo.

Joelma B. disse...

demais esse título!!

:*

Tania regina Contreiras disse...

Poema para mergulhos!
Beijos, Assis

Everson Russo disse...

E que esse olhar jamais encontre a solidão,,,e sim o melhor caminho de alma...abraços de boa semana.

Ingrid disse...

trazes da profundeza da solidão a luz de amar..
beijo Assis..

Lara Amaral disse...

Esse ponto de equilíbrio que oscila... olhar é pêndulo.

Belíssimo poema, li, reli, e várias vezes. =)

Vais disse...

é um derretimento só este descansar
um oásis!
querer mais o que?

beijo, Assis

Cris de Souza disse...

Poema de líquidos-efeitos...

Luiza Maciel Nogueira disse...

encontros de solidões gera uma poesia como essas (acho)

beijos