sexta-feira, setembro 28, 2012

À deriva na rota de angústia dos elefantes


“A minha alma persegue um naufrágio maior”
(Verlaine)

De capim e marfim são os meus dias
E as patas elevam sais de purificação
Tenho o deserto de nuvens a pacificar

9 comentários:

Mirze Albuquerque disse...

EXCELENTE, POETA!

Um deserto de nuvens (úmidas) absorverá melhor o sal das purificação!

Saudades...Beijo

Mirze

Bípede Falante disse...

Assis, e um deserto não é um desenho de nuvens caídas no chão?

beijoss :)

Everson Russo disse...

AS nuvens por si navegam paz...abraços de bom final de semana...

Catia Bosso disse...

Doce peso do amor, sem sacrificios!!!


bjsMeus

Catita


Lídia Borges disse...


Verlaine sabia do que falava, falava do que sabia ou era louco?
Tem poemas "intragáveis".

Um "deserto de nuvens a pacificar" faz falta.

Um beijo

dade amorim disse...

Haja naufrágio, esse menino!
Bjss

Ingrid disse...

a alma que segue..
beijos..

AC disse...

E isso implica tanto caminhar, mesmo que não se saia do mesmo lugar!

Abraço

LauraAlberto disse...

e outro ainda maior e maior

beijo