domingo, julho 08, 2012

outra balada de impulso para anjos em movimento


ainda menino
peguei desobediência
com a palavra
- assim como incitar
os visgos do vento -
atropelando a sina,
as sílabas e a sintaxe
neste descompasso
de verbo, versos e nuvens

6 comentários:

MA FERREIRA disse...

versos..nuvens e sentimentos...talento..
Muito bom te ler...

Bom domingo...abraço...

Lau Milesi disse...

Lindo, poeta Assis. Insubordinação é uma característica dos GRANDES poetas.
Eu sugiro ao poeta que republique alguns de seus poemas do "doismiledois"...(multipliquei o "mileum" porque os títulos de seus poemas são outras obras à parte), aqui na sua árvore.

Um abraço. :)

Lara Amaral disse...

Poeta e obediência são antagônicos.

Gosto da sua rebeldia de nuvens, arrebol e girassóis.

Beijo.

Adriana Aleixo disse...

Menino danado, tipo sua amiga aqui, que matava a mãe raiva... E a perguntação então? A pobrezinha sempre dizia: "menina, como tem coragem de pensar em coisas que eu nunca pensei."

Lindo, lindo! Beijo!

Luiza Maciel Nogueira disse...

descompasso em elevação

beijo

Mirze Albuquerque disse...

Belíssimo!

Manoel de Barros se orgulharia dessa desobediência.

Beijo

Mirze