quarta-feira, outubro 01, 2014

p.s.

quase nunca é um poema
mas faço da palavra liturgia
e trêmulo perambulo alegorias
adormeço em vigília da sintaxe
quase nunca é um poema
mas se um dia for
ofereço-vos numa consoada


8 comentários:

Indigo Horizonte disse...

La palabra. Y la liturgia.

Pérola disse...

Quase sempre me parece um poema e um banquete se espera.

Beijo

Tania regina Contreiras disse...


É sempre poesia!

Beijos,

cantonholi disse...

passei por aqui, aguardo sua visita: www.micropoetricidade.blogspot.com

Vais disse...

'quase nunca é um poema'

só que um p.s. de poesia sempre

;)

beijo de saudades, querido Assis

André Francisco Gil disse...

Dia de vigília e de trêmulos poetas com tremores.
Se for sintaxe eu faço perambular.
Quase ofereço-lhe a alegoria da palavra.
Poema adormecido quase litúrgico.

Se for dia ofereço-te consoante e não caçoadas.
Quase sintaxe na vigília do poema.
Perambulo alegórico,trêmulo quase adormeço.
Faço da palavra um poema quase litúrgico-apostólico.

Teca M. Jorge disse...

Sempre belo... indo no face acabo caindo no esquecimento deste espaço... sempre poético, sempre Assis.
Beijo.

Mauro Sérgio disse...

que belo! vou começar a acompanhar o blog!