quinta-feira, setembro 26, 2013

3 poemas

Um outro epitáfio, bem outro

O que fui verdadeiramente
Não interessa
Ainda vão me marcar
Por causa de um verso
Que não pude evitar



Poema para dois tragos e um cigarro

Quero vícios
Que me
Levem
À morte
Pois a sorte
Eu dei a deus


Lembrando o verde de Leminski

Ocupei a grama
Céu tão bacana
Viva Copacabana

11 comentários:

José Carlos Sant Anna disse...

Um cigarro tão perto da boca deixa a língua acesa...
Abraços,

dade amorim disse...

Deixei de fumar há uns seis anos. Mas não condeno quem insiste em fumar. Foi difícil. Dois tragos e um cigarro quase quase me faz voltar no tempo.


Beijo

teca disse...

Adorei! Todos eles!
Em pura comunhão!

Beijos.

Anônimo disse...

Seus poemas visuais são invencíveis, mestre poeta.
Entregam as imagens de forma tão clara.
Viva a sua poética!!!

jorge pimenta disse...

"a taça até ao fundo.
a luminosa"

agripina marques


desde aqui te ergo a minha taça, poeta.
abraço!

Lídia Borges disse...


"Por causa de um verso que não pude evitar" Soberana Poesia!


Um beijo

Cris de Souza disse...

Um trago triplo de uma só voz!

Beijo, mestre*

Tania regina Contreiras disse...


Fabuloso epitáfio! Sem palavras...

beijos,

Índigo disse...

Con dos tragos y un cigarro... y unos versos... y un silencio.

Adri Aleixo disse...

Perfeitos!!!
Sou ex-fumante, tenho muita sorte, mas me rendo ao primeiro.

Beijo :)))

Fred Caju disse...

Esse primeiro foi o primeiro pra mim.