segunda-feira, agosto 19, 2013

Uma ária de amanhecimento em elevação

Desperto para alimentar os leões
Com meu alforje de orvalhos
Tão famintos eles de silêncios
Imploram a ausência nos olhos
Desperto para alimentar os leões
Enquanto cultivas pássaros no arrebol

9 comentários:

AC disse...

Assis,
Não conheço ninguém na blogosfera com o seu talento. Você é único.

Abraço

jorge pimenta disse...

a complexa arte de, mais que domar, alimentar feras...

abraço, assis!

José Carlos Sant Anna disse...

Há sempre uma reinvenção da linguagem em cada poema concebido.
Abração, Assis.

dade amorim disse...

Diferenças marcantes. E sempre um poema encantador.

Beijo, Assis.

Tania regina Contreiras disse...


Esse alforje de orvalhos me arrebatou o olhar, embriagou o olhar...que imagem encantadora!!!

Aqui nunca é "aqui", isso é ótimo!

Beijos,

Verso Aberto disse...


AC acertou

abs

Adri Aleixo disse...

Eu fico com AC.

Beijocas!

Lídia Borges disse...


"Cultivar pássaros no arrebol"

É uma imagem mágica!

Obrigada

Cecília Romeu disse...

Poesia: quando os leões despertos cultivam letras e desenham nuvens.

Beijos!