segunda-feira, julho 08, 2013

Uma ária para deleite de sol na asa

p/ Lelena Terra

Para matizes incandescentes
Pastel, óleo, lápis, grafite
Elevam-se os tons em nuvem

Pátinas, lentes, semoventes
Serenas luzes recorrentes
Indizível que percorre a mente

Transitam pés, pétalas, cores
O que faz do sutil apontamento
O fogo-fátuo do alumbramento


8 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Lindo presente: esta é a Lelena! Que seja feliz e que continue inspirando versos tão belos.

Beijos,

Adri Aleixo disse...

Doce Lelena, um desses presentes que ganhamos da vida...

Um poema rico em cores e delícias, uma ária de alumbramentos.

Um beijo grandão ao mestre e à nossa Lelena Terra

José Carlos Sant Anna disse...

Lindo poema para uma linda aniversariante!
Abraços, poeta! e beijos, para Lelena!

José Carlos Sant Anna disse...

Lindo poema para uma linda aniversariante!
Abraços, poeta! e beijos, para Lelena!

Ira Buscacio disse...

Lelena lembra mel ou pode ser pétala.
bj, poetaço
bj, Lelena

Cris de Souza disse...

Deleitei-me nesta confluência.

Beijo aos dois*

eurico portugal disse...

há nuvens reconhecíveis mesmo que o céu adormeça e todas as palavras apodreçam na boca.

lelena e um leve redesenhar das saudades.

abraço para ti; beijo para ela!

dade amorim disse...

Uma beleza, de verdade!

Beijo!