sexta-feira, junho 28, 2013

como nuvem em sopro de imensidão

aqui as sílabas respiram
repousa, pois, o silêncio
deixa-me dançar a solidão

5 comentários:

Joelma B. disse...

as sílabas vestem-se de sopros!

beijo, poeta!

Cris de Souza disse...

os sopros vestem-se de solidão...

beijo, mestre!

José Carlos Sant Anna disse...

Sílabas e sopros se irmanam nas três vozes...
Abraços para Cris, Jô e Assis.

Fred Caju disse...

Sopro, Sílaba, Silêncio e Solidão são palavras-chaves fundamentais.

eurico portugal disse...

há danças que não escolhemos; escolhem-"nus".

abraço!