terça-feira, abril 09, 2013

Mata-me com o olor dos teus abismos


tramam tuas tardes
que ardem
neste visgo de olhar

seiva de remoto fruto
ilha úmida que viceja

o mar que é um preâmbulo
de tantas sedes

10 comentários:

ॐ Shirley ॐ disse...

Muito bonito! Abraços!

Tania regina Contreiras disse...


Um poema que revela a avidez da alma do poeta. Lindo, Assis!

José Carlos Sant Anna disse...

O mar não é só preâmbulo de ávidas sedes.
É também onda em ação.
Ondulação de palavras ávidas
Abr.,

Lídia Borges disse...


Um mar de sugestões onde de torna fácil pôr um barco a navegar...



Beijo

Ira Buscacio disse...

o mar é uma paixão com início e sem fim

bj, poetaço

dade amorim disse...

O mar é mesmo uma ocasião de alegria, e "o preâmbulo de tantas sedes".

Beijo, Assis.

Ingrid disse...

intimidade velada..
belas imagens poeta!
beijinhos.

eurico portugal disse...

há mortes que passam de sorriso em sorriso, como os próprios lábios!

Cris de Souza disse...

Deu até sede...

Cris de Souza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.