quinta-feira, agosto 02, 2012

metapoema para o sal que arde na pele


hei de morrer nesta velha fotografia
com olhos pasmos de juventude
o fino lábio carente de palavras
as retinas ainda virgens

hei de morrer nesta velha fotografia
com esta face ainda imberbe
as mãos sem cataclismo
sem nunca ter te encontrado

10 comentários:

Lídia Borges disse...

Saudade do futuro...

Beijo

Tania regina Contreiras disse...

Lembrei, assis, do meu poema de cabeceira na adolescência: Eu, de Florbela Espanca:

"Alguém que veio ao mundo pra te ver
e que nunca nessa vida te encontrou", acho que isso...

Beijos, querido.

Everson Russo disse...

Numa fotografia velha o registro de um momento,,,de um sentimento,,,abraços de bom dia...

Joelma B. disse...

a pele temperada com essências...

beijinho, Assis!

Ira Buscacio disse...

Perfeitíssimo!
Olho-me na antiga fotografia e a questão: Ah, se soubesses o que sei!
bj grande

teca disse...

Sentido...


Beijo carinhoso.

Daniela Delias disse...

Lembrei de "Retrato", da Cecília Meireles!

Tão bonito, poetinha :)

Bjo, bjo

Ingrid disse...

passar passado fixo em olhar..
amei poeta!
beijos

LauraAlberto disse...

as temíveis fotografias, testemunhos mudos que o tempo passa para todos

beijinho

Cris de Souza disse...

Vale ou não vale o risco?