sexta-feira, dezembro 27, 2013

fragmento para dulcinéia XX

no dia que vogarem meus pés
minha senhora
por sobre o silêncio do mar
não haverá abismo que me salve de ti

fragmento para dulcinéia XIX

deixa-me acariciar teu soluço
minha senhora
tecer o arrebol de esperas
com tua caligrafia de espinhos

fragmento para dulcinéia XVIII

há uma desventura nos meus ossos
minha senhora
uma cortina de líquidos no olhar
sofro a véspera de te fazer amanhecer


fragmento para dulcinéia XVII

já tive meu quinhão de nuvens
minha senhora
agora me destino às pedras
estou apegado a um silêncio sólido

fragmento para dulcinéia XVI

não cabe na língua tanta paixão
minha senhora
escavei meu peito até a incompletude
agora uma flor me pulsa nas veias

fragmento para dulcinéia XV

és a substância dos anelos
minha senhora
toda a avidez do singelo
por ti intempéries hei de cativar

fragmento para dulcinéia XIV

eu vivo com este enigma
minha senhora
de te fazer miragem
no silêncio dos meus olhos

fragmento para dulcinéia XIII

eu não sabia de onde vinhas
minha senhora
até o destino me por na estrada
com este visgo do inalcançável 

fragmento para dulcinéia XII

não há rocio que me assombre os passos
minha senhora
debruço-me em teus eflúvios
deixa-me ser líquido para teu rio

fragmento para dulcinéia XI

circulam teus ares nos meus passos
minha senhora
desfolho estrelas em solidão
padeço assim de amanhecimentos


7 comentários:

José Carlos Sant Anna disse...

Tão dolce essa dulcineia que só tu é que fazes ideia.
Abração, poeta!

Lídia Borges disse...



Isto é tão bonito!

Nem o próprio Dom Quixote seria capaz de melhor.

Um beijo

dade amorim disse...

Muito lindo, Assis!
Como diz o José Carlos, ela é muito dolce!

Beijo.

Tania regina Contreiras disse...


Poeta, poeta...tu mereces uma nuvem de passarinhos sem fim!

Beijos,

Joelma B. disse...

remoinhos de bem querer...

beijo!

jorge pimenta disse...

há moinhos a estremecer por cima das coisas...

Cris de Souza disse...

Dulcinéia dá o que falar! Acompanho lá, aqui, acolá...

(Esta série está um espetáculo)