sexta-feira, outubro 26, 2012

ensaio sobre o desconhecimento e os seus desvãos


nada ouso além deste corpo
sou esta ilha sem metáforas
nuvem magra desavisada
que me venham estrelas
eu as espanto com um sopro

10 comentários:

Joelma B. disse...

desvão: mudo convite ao imaginário!

beijo!

Tania regina Contreiras disse...

Estrelas assustadas resistindo ao vento...
Beijos,

Everson Russo disse...

Desejo guardado na alma...abraços de bom final de semana.

Daniela Delias disse...

Poetinha, tudo anda tão corrido, não tenho conseguido visitar os amigos como de costume! Saudade de ler vc.

Bjo, bjo

Fred Caju disse...

Uma ilha sem metáforas já não seria metáfora?

Dulce Morais disse...

O sopro do poeta voa e deixa pairar uma brisa de emoção no ar.

Everson Russo disse...

Sopro leve do luar...abraços..

Lídia Borges disse...


Interessante a metáfora da metáfora.

De resto... Um desencantado soprador de estrelas com a estrela da Poesia sempre brilhando.

Um beijo

Domingos Barroso disse...

incrível a imagem,
incrível
...


forte abraço, irmão.

dade amorim disse...

Ah, mas você sabe muito mais que isso...
Bj bj